sábado, 27 de agosto de 2011

ONDE MORAM AS BORBOLETAS

Como se fosse uma borboleta, um dia ela abriu as asas e voou.
Não me abraçou, não me beijou, não me disse adeus.
Simplesmente abriu as asas e se foi...
É claro que eu fiquei na maior tristeza.
Como ela podia ter feito isso comigo?
Então era tudo mentira o que ela me dizia, com aquele sorrisão que eu achava o mais lindo mundo?
Era tudo fingimento?
Então ela não gostava de mim?

...

Um mês depois, ansioso, atendo o telefone.
Com uma voz esquisita, ela diz várias coisas que eu não consigo entender direito...
Eu choro. Choramos juntos.
Até que cai a ligação...
Papai vem chegando da padaria.
– Era a tua mãe? – ele pergunta, bastante sério.
Não posso responder, um boi enorme tapa minha garganta...
Papai me abraça e diz para eu me acalmar, que tudo vai ficar bem.

...

Durante muito, muito tempo, fiquei me perguntando onde moram as borboletas...
Agora não me preocupo mais com isso.
Cresci, e uma das coisas legais que aprendi é que cada um é livre para voar para onde quiser...
Só que, também, ninguém é obrigado a amar ninguém para sempre!
Isso, além de uma verdade, é um consolo.

2 comentários:

Diu Mota disse...

..."que seja eterno enquanto dure"
Caí aqui e me encostei entre as palavras. Voltarei.
inté

HÉLIO SENA disse...

... E eu adorei isso! Abração.